Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é repleto ...

Bienal de Design

12ª Bienal Brasileira de DESIGN GRÁFICOMostra comemora 25 anos e, pela primeira vez, será realizada em Brasília

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Publicado em Entrevistas
Lido 690 vezes
Avalie este item
(0 votos)

de Flávio Carneiro   [entrevista]

por Nádia Timm

“Cada livro é uma nova batalha”, diz Flávio Carneiro, por telefone. O
escritor goiano estava prestes a lançar O Campeonato, na Livraria da Travessa
de Ipanema, no Rio de Janeiro, onde residia há 20 anos. Era agosto
de 2002.
Com seis livros e vários prêmios, o autor que começou a publicar aos
24 anos, nesta entrevista fala sobre questões ligadas à produção do romance
policial, no Brasil e no mundo.
Flávio Carneiro que também é professor de Literatura, não esconde
a ligação afetiva com Goiás, aborda os rumos da Literatura Contemporânea
e critica a obra de Paulo Coelho, que tinha acabado de ser eleito imortal da
Academia Brasileira de Letras.


NT - Os personagens de O Campeonato são leitores vorazes e as citações
do mundo literário confundem-se com a realidade. Que relação há entre
o escritor e o professor de literatura?

FC - Escrever e ensinar são duas coisas que não combinam. Quando escrevo,
não quero ensinar nada. Quero apenas contar uma história, da melhor
maneira possível. Claro que essa história pode melhorar a vida das pessoas,
mas isso é consequência. As citações estão integradas ao enredo...


O escritor que parte do princípio de que a Literatura tem algo a ensinar devia
mudar de profissão, ou então escrever livros de autoajuda. Se há citações
do mundo literário no meu romance é porque o personagem é um leitor, e
as citações aparecem. Não que eu queira dar uma de professor disfarçado
de romancista, mas porque achei interessante o personagem ser assim.


NT - Que lição a Literatura proporciona?
FC - Acho que o professor de Literatura devia aprender algo com a própria
Literatura, aprender a lidar com o imprevisível, por exemplo. Então, o meu
lado professor tem muito do lado escritor, dou aula pensando em trabalhar
o imaginário dos alunos e não em dar respostas prontas. Isso não é nada
fácil, porque os alunos muitas vezes preferem respostas prontas, mas aí já
é outra história.

NT - Você substitui a figura clássica do detetive por um jovem desempregado,
com dificuldades afetivas. A alteração da personagem típica do
romance policial tradicional é característica da nova geração? Por que
ocorre?

FC - A mudança do perfil do detetive clássico para o moderno surge já
nos anos 30, nos Estados Unidos. É a época da grande crise americana,
da depressão econômica, da lei seca, da perseguição política, etc. E toda
essa atmosfera acaba tornando impossível a existência de um detetive como
Sherlock, por exemplo, em cujas histórias o bem sempre vence o mal.


No romance policial americano dos anos 30, o detetive é um sujeito beberrão,
que fuma muito, conhece os marginais e as prostitutas, vive num
quarto imundo num bairro pobre. É a época de outro tipo de detetive, o
Sam Spade, criado por Hammett.


NT - E no Brasil?

FC - No Brasil, a narrativa policial de boa qualidade surge apenas nos anos
70, com Rubem Fonseca, e, é claro, o modelo de detetive será justamente
Spade, não Sherlock, já que as condições do país tinham, e têm, muito mais
a ver com o ambiente americano dos anos 30 do que com a Inglaterra vitoriana
de Sherlock.


NT- Garcia-Roza é best seller. Como avalia o “boom” do romance policial
tupiniquim, no final dos anos 90?

FC - A narrativa policial sempre teve um grande número de leitores, desde
o seu surgimento, com Poe, no século 19. Na ficção dos anos 80 pra cá, a
narrativa policial ganhou novo contorno, com histórias que buscam atingir
dois níveis de leitura: o do leitor comum, interessado apenas no enredo, e
o do leitor mais sofisticado, que busca também um texto mais inteligente e
criativo, e, às vezes, mais culto também.


NT - Quais exemplos de linguagem apurada?
FC - Autores como Rubem Fonseca, Garcia-Roza, Luis Fernando Veríssimo,
Rubens Figueiredo, entre outros, descobriram que a ficção policial
oferece essa riqueza: ser inteligente sem ser elitista. Jorge Luis Borges, um
escritor argentino que é, sem dúvida, uma das minhas principais referências,
já sabia disso há muito tempo.


É dele um conto policial nesse estilo, simples e genial, escrito nos anos 40:
O Jardim de Caminhos que se Bifurcam. Borges, e também Poe, são autores
sofisticados, têm uma obra carregada de erudição e, no entanto escreveram
contos policiais. A produção atual segue por aí, com os necessários ajustes
de nossa época, claro.


NT – Por que escolheu este gênero?
FC - Sempre gostei de narrativa policial, sobretudo a praticada pelos autores
citados. No meu livro Da Matriz ao Beco e Depois (Rocco, 1994), há um
longo conto policial. Sempre quis, um dia, escrever um romance policial,
só estava esperando a história chegar. Ela demorou um pouco, mas chegou.


NT - Qual a sua relação com Goiás?
FC - Nasci em Goiânia e duas ou três vezes por ano passo uma temporada
na casa dos meus pais, que moram aí, e também meus irmãos, tios, sobrinhos
etc. Alguns parentes moram em Brasília.


Tenho uma ligação muito forte com Goiás e, em especial, com Goiânia. Sou
meio como o índio do poema da Cora Coralina, O Palácio dos Arcos, que
vivia dividido entre duas culturas, no meu caso a de Goiás e a do Rio, para
onde vim em 81.


A gente acaba tendo que optar por viver nessa ou naquela cidade e optei
pelo Rio por questões profissionais. Depois acabei fazendo amigos, me casei,
minha mulher tem um filho lindo que considero também como meu
filho, e então hoje tento conviver amigavelmente com as duas cidades, já
que não posso nem quero abrir mão de nenhuma delas.


NT - Acompanha a produção literária em Goiás? Qual sua avaliação?

FC - Tenho acompanhado pouco. Conheço poucos autores, os já canônicos
Bernardo Élis, Cora Coralina e José J. Veiga, e os de gerações mais recentes,
como o Dilermano, o Brasigóis, o Goiamérico, o Miguel Jorge. Gosto muito de
todos eles, e acho que fazem uma literatura de alto nível, para além do regional.
Infelizmente, o mercado editorial privilegia centros maiores, dificultando o
acesso do grande público aos livros desses autores e de outros, da novíssima
geração, que confesso não conhecer ainda.


NT - O que achou de Paulo Coelho ser eleito imortal?

FC - Normal. A Academia Brasileira de Letras nunca foi uma casa exclusiva de
grandes escritores. Aliás, nem é preciso ser escritor para ser acadêmico. Getúlio
Vargas, por exemplo, é da ABL. É um grupo bastante eclético, e fico imaginando
o que Guimarães Rosa teria a conversar com o Sarney, por exemplo.


Paulo Coelho não é um escritor, no sentido de ficcionista. A ficção, para ele,
é pretexto para ensinamentos filosóficos. Não gosto de livros assim.
A literatura não deve servir para outros fins que não seja a leitura pura
e simples. Não deve servir para ensinar nada, não deve servir para levar
alguém a votar nesse ou naquele partido, a ser ateu ou crente, ou para provocar
uma revolta armada, nada disso.


NT - O quanto o engajamento prejudica a qualidade?

FC - O Paulo Leminski dizia que a poesia é um inutensílio. Concordo com ele.
A literatura não serve pra nada e, justamente por não ter uma função prática, é
que ela é imprescindível, fundamental.


Fico meio deprimido quando vejo tanta gente gostando de Paulo Coelho, não
porque ele seja ruim. Acho que ele é ruim, escreve muito mal. Mas não é por
isso, tem muita gente por aí escrevendo mal e nem, por isso, me entristeço.


O que me chateia é que ele usa a literatura para passar mensagens, para
ensinar alguma coisa, e isso é o que pode haver de pior para a Literatura.
Se você quer matar a Literatura, coloque-a a serviço da moral, da ética, da
política ou do que quer que seja. É um processo de emburrecimento do
leitor, de adestramento, de absoluta imbecilização. É triste ver a literatura
servindo a esse propósito.


Entrevista publicada no Jornal O Popular, em 18 de Agosto de 2002.

*Este  texto faz parte do livro "Era Uma Vez....... Outra Vez....... mais uma vez .......e  mais outra.......", de Nádia Timm.

 

Dia 15 de dezembro de 2011
Lançamento de A ILHA
Bate-papo com Rogério Borges: 19:30h
Sessão de autógrafos: 20:30h
Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro
Rua 03, nº 1016 (esquina com Rua 09)
Centro
Goiânia

Última modificação em Segunda, 21 Março 2016 22:46
Mais nesta categoria: Hideyo Blackmoon »

Mais lidos

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Cartas de Caio

22 Dez 2016 Livros

Cara-de-Bronze

05 Jun 2016 Programação em Goiânia

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 76 visitantes

Add to Flipboard Magazine.