Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é repleto ...

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Lan Lanh

Lan Lanh sobe aos palcos do Teatro Glaucio Gill, no Rio de Janeiro, para apresentar o show "Batuque da Lan Lanh" nos dias 2, 3, 4, 5, 9, 10, 11 e 12 de junho. O...

ZZZZZZZZZZz ApoenaTimm
Publicado em Livros
Lido 300 vezes
Avalie este item
(1 Voto)

Nádia Timm

Naquele dia, Zamonik não queria caçar. Ficou com as mulheres na aldeia, fumando seu cigarrinho, quieto, ouvindo os pássaros e as conversas. A noite anterior, foi de muita dança, bebedeira e cantoria. Agora queria ficar mornando, no sossego da sombra da frondosa mangueira.

Estava com preguiça até de conversar. Quando o sol chegou a pino e a paisagem caiu numa modorra só, abriu a boca pra um longo bocejo. Tão grande, que engoliu a tarde. A noite chegou de estalo com sua brisa, véu escuro, cheia de sombras.

Zamonik gostou da idéia de dormir novamente, mas os sapos tinham outros planos. Prepararam um rede fina e forte e jogaram sobre o guerreiro.

Ele nem percebeu.

Quando acordou, custou a entender. Estava  dentro de um a espécie de aquário. Do lado de fora, seres imensos de cabeças verdes, afunilada, espiavam seu despertar.

Zamonik achou que tinham cara de lombriga. Sorriu quando percebeu que lhe pediam para que dançar. Ele fez uma pirueta, um salto para frente e uma cambalhota para trás...e aquela gente piscava, uma luz verde tremelicava em seus olhinhos nojentos...

Que vida boa aquela, vida em eterna festa. Pareciam baianos. Nem precisava caçar... Bom não precisar mais olhar a cara daquele povo da aldeia. Sorria, ao lembrar que estava livre dos salamaleques de gente doida para usar seus préstimos de homem habilidoso, culto e inteligente.

Preferia aqueles lumbrecóides às pessoas com quem tinha convivido até pouco tempo. Gente muito chata, sempre com medo de alguma coisa. Gente sem imaginação, sempre maledicente, reclamando da vida, com mania de doença e de olho na vida dos outros.

Um dia trouxeram uma mulher pra Zamonik. Era uma moça bem bonitinha, com longos cabelos negros e olhos amendoados. Ele se encantou, até esqueceu do público em volta, e tratou de conquistar o seu coração.

Parou de contar os dias, mandou a melancolia embora e ensaiou algumas canções.

Cantarolou, assoviou, imitou lobos e onças. Fez tudo que lembrou dos costumes tradicionais pra impressionar Ralik. Nem a dança do acasalamento funcionou.

Ralik era muito menina e ignorava seu comportamento. Na verdade, Ralik só tinha um interesse. Queria fugir e passava o tempo medindo as distâncias e fazendo cálculos.

Começou a juntar folhas de bananeiras e colocá-las para secar. Depois, fez tiras e começou à trançá-las. As mãozinhas não sossegavam e só depois de preparar uma espécie de tapete ela parou. Dormiu muito tempo. Acordou com fome e comeu muitas jabuticabas. Ninguém mais soube dela.

Os lombricóides ficaram com os olhos vermelhos ao perceberem a fuga. Zamonik quase teve um colapso, não entendia porque Ralik  não contou  seu plano, nem quis fugir com ele.

Moral da história: em terra estranha, mais estranho é quem dança e mais esperto é quem não cai nas armadilhas do coração...

 

novembro/2004

Última modificação em Sábado, 13 Janeiro 2018 21:29
Mais nesta categoria: África/ Brasil »

Mais lidos

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Cartas de Caio

22 Dez 2016 Livros

Cara-de-Bronze

05 Jun 2016 Programação em Goiânia

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 61 visitantes

Add to Flipboard Magazine.