Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é repleto ...

Bienal de Design

12ª Bienal Brasileira de DESIGN GRÁFICOMostra comemora 25 anos e, pela primeira vez, será realizada em Brasília

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Publicado em Crônicas Di-Versos
Lido 3823 vezes
Avalie este item
(1 Voto)

 

Por Nádia Timm,

do livro "Era Uma Vez ........ Outra Vez................".

As crianças cantam em um orfanato, no Haiti.

Depois do terremoto, da tragédia, uma imagem de esperança e beleza. Antes, a tela mostrou dois corpos sob os escombros. Um pouco antes, no primeiro bloco do noticiário,  a imagem de dezenas de cadáveres jogados por caminhões em uma vala comum. A triste cena emplacara as capas de jornais pelo mundo.

Cedo, Anna Galiano reviu uma matéria que tinha feito há alguns meses, antes do terremoto, para um programa dominical. A Repórter estrela assistiu às mães preparando biscoitos de barro, gostou de se ver tão bem. Agora a produção estava à procura daquelas personagens, queriam saber o que aconteceu com aquelas famílias, o que sobrou daquele lugar.

Parece que será apenas mais um dia de estresse, pensou e suspirou a Jornalista famosa.  Era uma jovem bonita como uma boneca de desenho 3D, seu rosto não transparecia sua enorme carência afetiva, nem a voz revelava a intensidade de suas emoções. Tinha o perfil da profissional perfeita. Aparência impassível, bela.

No meio da manhã, Ele chegou com sua boina azul e naquele uniforme parecia um super-herói ou um deus. Mesmo com dor de cabeça, sentindo um mal-estar constante e a pressão da hora, mesmo assim, Anna teve aqueles segundos fatais de fantasia e ficou louca pelo rapaz. Caiu na armadilha. A Jornalista se apaixonou, comentavam. Amor impossível lhe disseram logo, entre risadas sacanas.

Cai na real, repetem mil vezes. Anna não acredita, deve ser intriga, maledicência de invejosos. Sente o corpo tremer, uma vertigem leve ao ouvir o nome dele ou o som da sua voz, ao longe, no comando da tropa. Homem inteligente e lindo. Imagina o primeiro encontro, a sensação do beijo, o que Ele diria para conquistá-la.

No devaneio, sonhando, vivia os poucos minutos de paz que o jornal e televisão lhe concediam. O mau cheiro, o calor, a sede a faziam acordar para a paisagem em escombros. Tinha pauta para cumprir, horário para ir ao ar. Não, Ele não é gay, podem morrer de rir, você estão com inveja. Era seu príncipe que finalmente tinha chegado, tinha certeza.

Mais um dia de luta contra a fome, tudo anotado no bloco, gravado, fotografado. Porém numa tarde, um susto, outro tremor de terra. Do acidente terrível com seu amor, só soube de madrugada, quando a acordaram para contar. Anna agora acha que a vida perdeu o sentido. Desespera ao pensar que ele, o Boina Azul, sua paixão, iria morrer.

Não morreu não. Um mês depois, Ele voltou ao Brasil e logo se envolveu em um escândalo numa boate. Anna ainda não quis acreditar. O comandante foi expulso dos Boina por ser viado, saiu nas capas, nos sites, espalharam a notícia, lhe disse a melhor amiga, se sentindo constrangida por ferí-la daquela forma. Sempre confiante, a Repórter  respondeu que era uma conspiração de invejosos contra seu amado.

Na Internet, investiga.  Descobriu onde Ele morava e para lá voou numa tarde terrível de chuva no Rio de Janeiro. De tardezinha, na enxurrada, encontrou a rua da Tijuca. Bateu na porta, sem avisar. Ele abriu, de short, sem blusa, sem a boina azul.

Anna tremia ao lhe estender a mão e pedir desculpas por chegar assim sem um telefonema mas precisava dizer pessoalmente o quanto era solidária e o quanto o considerava depois de tudo que viu e assistiu no Haiti e a força que ele tinha no comando daqueles homens naquele momento tão difícil e o quanto desconfiava dos interesses que ele havia contrariado e de que alguma força maligna oculta estava por trás de toda essa campanha de difamação pura calúnia infâmias que jogavam contra ele. Ufa!

Quando terminou o jorro de palavras ficou um silêncio imenso. Os olhos dele estatelados, brilhando.  Estupefato, bobo, desentendido. Ela em êxtase. Aí, do quarto uma voz efeminada gritou: “Quem é Janjão? Mais que pizza mais demorada, benhê!”

 

 

Última modificação em Domingo, 22 Janeiro 2017 20:34
Mais nesta categoria: Smile »

Mais lidos

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Cartas de Caio

22 Dez 2016 Livros

Cara-de-Bronze

05 Jun 2016 Programação em Goiânia

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 45 visitantes

Add to Flipboard Magazine.