Arquipélago da Madeira

Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é rep...

Suíça, de trem

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Lan Lanh

Lan Lanh

Lan Lanh sobe aos palcos do Teatro Glaucio Gill, no Rio de Janeiro, para apresentar o show "Batuque da Lan Lanh" nos dias 2, 3, 4, 5, 9, 10, 11 e 12 de junho. ...

O Cara Carioca desenho de Naura Timm
Publicado em Crônicas Di-Versos
Lido 1147 vezes
Avalie este item
(0 votos)

A bailarina pegou no pé do Cara

Queria ser manchete, brilhar, ser capa, queria tanto aparecer que ele deu no pé.

O artista plástico também encheu o saco do Cara.
Era um artesão sem talento, mas se achava o rei da cocada preta, que era deus do pós-modernismo brega. Achou tanto que o Carioca logo concluiu que era hora de cair fora.

O campeão de luta livre grudou nele. Cismou que era poderoso no gancho de direita. Jurou que era infalível, implorou patrocínio... E um beijinho, diziam as más línguas.

O Cara nem precisou dar um basta. O campeão amarelou, fugiu do ringue, uma semana antes da luta do século, na capital do brejo.

Na repartição, os puxa-sacos quebraram a cara. Não puxaram o suficiente, foram parar no olho da rua.

Na passarela, a magrela levou um susto. Caiu do salto, de saia justa. Tombo feio, sob flashes e flechas de olhares invejosos.

O Carioca foi a pedra no caminho. Não pediu o teste do sofá para o qual havia ensaiado tanto.

A magrela estava insegura quanto à gostosura de sua perereca.

A menina só queria namorar. Mas a rapidinha foi tão ligeira, que ela ficou chupando o dedo.

Carinha sem-graça.

A mocinha que escrevia versos e gostava de vestidinhos azuis só queria chupar. Porém, o Cara teve medo de ser engolido por tanta paixão e vazou.


Na verdade, estava de quatro pela princesinha, a filha do delegado. Mas ela – a patricinha da roça – estava louca por um vaqueiro do Arizona, nem reparou.

Aí todos iam para a praça, depois da missa de domingo: a bailarina, o artista plástico, o campeão, os bajuladores, a magrelinha, a menina e a mocinha.

Trocavam palpites e concluíam:
– Ô, que Cara besta. Parece que ele não achou as palavras, nem o jeitinho pra lidar com nóis. Só esse sotaque de xis chinfrim quando abre a boca e ainda por cima ruinzinho de cama.

Quem sabe se aparecesse em cena com movimentos suaves, assumisse que é gay – brincou a bailarina.

– Talvez se botasse luz nas ideias, estudasse um pouco ou fumasse uma maconha que prestasse – concluiu o artista-artesão bidu.
– Quem sabe se ele abrisse a guarda, assumisse que é bi – conjecturou o pensativo lutador.

Em coro, os puxa-sacos da repartição fofocaram: “Se o tal poderoso ficou de quatro pela zarolha é porque é um quadrúpede mesmo”.


A magrelinha e a mocinha dos versos concordaram. Depois, suspiraram lentamente ao lembrarem o quanto era gostoso transar naquela posição.

Adoravam sexo anal.

Nada disso o Cara babaca reparou.

Voltou para o Rio de Janeiro, queixando-se da ingenuidade dos caipiras.

 

 

*Esta crônica  faz parte do livro "As Novas Histórias de Amor", de Nádia Timm.

Mais nesta categoria: Soneto do web amor »

Deixe um comentário

Mais lidos

Tradição dos Manjericos

Tradição dos Manjericos

23 Jun 2016 Turismo

Na Ponta do Nariz

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Ecoturismo

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Capoeira

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Quimeras

Quimeras

07 Jan 2015 Crônicas Di-Versos

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 26 visitantes

Add to Flipboard Magazine.