Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é repleto ...

Bienal de Design

12ª Bienal Brasileira de DESIGN GRÁFICOMostra comemora 25 anos e, pela primeira vez, será realizada em Brasília

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Desplacebo, de Augusto de Campos Desplacebo, de Augusto de Campos
Publicado em Entrevistas
Lido 1150 vezes
Avalie este item
(2 votos)

Os Poetas-Inventores

((Entrevista com Augusto de Campos))


Sempre amei poesia, tenho atração pela vanguarda, por arte experimental e com emoção entrevistei o poeta Augusto de Campos, em 2002. Era o cinquentenário do Concretismo, movimento do qual ele participou da fundação e que revolucionou a Poesia, no Brasil, com reflexos nas Artes Plásticas e até nos meios de comunicação, graças às ousadias de Reinaldo Jardim, nas páginas do caderno de cultura do JB.


O marco de início do movimento foi o lançamento da revista Noigandres, em 1952, pelos irmãos Augusto e Haroldo de Campos e Décio Pignatari. Nesta exclusiva, Augusto de Campos – que havia acabado de relançar seu livro Viva a Vaia – entre vários assuntos, aborda os fundamentos, as raízes e os rumos da Poesia Concreta. Também fala sobre o processo de criação e de suas experimentações com as mídias digitais. Para o poeta, as novas tecnologias são o “habitat natural” dos poetas-inventores.


Constate aqui, mais uma vez, o quanto a Poesia Concreta é arrojada, simples e sofisticada, e se surpreenda com a resistência à proposta de inovar a linguagem poética, um tabu que persiste em parte dos meios acadêmicos e da imprensa.

NT - Qual o legado da Poesia Concreta?
AC - Não me sinto à vontade para responder a essa pergunta, já que fui um dos protagonistas desse movimento poético. Está nos nossos livros. Que outros avaliem, agora ou no futuro.

NT - Quem são os herdeiros?

AC - Não gosto de falar de herdeiros, porque a palavra parece implicar submissão ou compromisso e acho que um poeta não deve ter compromisso com nada e com ninguém, a não ser com a poesia.
Tenho afinidade com poetas experimentais, aqueles que não apenas estão interessados em expressar-se, mas em mudar a linguagem poética.

NT - Com quais poetas, por exemplo?
AC - Há várias gerações de poetas experimentais após a minha. Por exemplo, Leminski, que foi revelado na nossa revista Invenção, nos anos 60. Hoje, o poeta mais conhecido dessa linhagem é Arnaldo Antunes, dadas as suas relações com a Música Popular. Mas há os poetas que conduziram as revistas Código, Artéria e outras, nos anos 70, como Erthos Albino de Souza e Antonio Risério.

NT - Por que o senhor, Haroldo de Campos e Décio Pignatari escolheram o nome Noigandres para a revista do movimento?

AC - A palavra Noigandres foi extraída de uma canção do trovador provençal Arnaut Daniel, do século XII, considerado por Pound o protótipo do poeta-inventor. O seu significado desafiou as exegeses, até que o provençalista Émil Levy fixou o seu entendimento: “l’olors d’enoi gandres” (um perfume que afasta o tédio). A Poesia Concreta propriamente dita começou a se expressar nos meus poemas do ciclo Poetamenos, de 1953 (só publicados em Noigandres 2, em 1955, devido às dificuldades da impressão, que pedia até seis cores).

NT - O que o senhor acha da crítica de que o movimento privilegiou a forma, em vez do conteúdo?
AC - Waldemar Cordeiro dizia provocativamente: “O conteúdo não é um ponto de partida, mas um ponto de chegada”. Na verdade, forma e conteúdo são um todo inseparável. Mas, se quiserem conteúdo, tomem os meus poemas Greve, Luxolixo, ou os pop-cretos, Beba Cocacola, do Décio, que é de 1957(!), Servidão de Passagem, do Haroldo, Portões Abrem, do Ronaldo e tantos outros. Os críticos falam sem ter lido os poemas.

NT - A Poesia Concreta ainda incomoda?

AC - Tendo em conta que, em algumas universidades e em parte da imprensa cultural, a Poesia Concreta ainda é tabu, parece-me que sim.

NT - Quais os rumos da tradição da invenção?

AC - A invenção tem muitos caminhos e os poetas-inventores saberão encontrá-los. Repito apenas o que dizia Schoenberg: “Todos os caminhos levam a Roma. Menos o do meio”. De minha parte, há dez anos só trabalho em computador. Todos os meus poemas são produzidos nesse veículo e grande parte da minha produção se dirigiu para a elaboração de animações poéticas digitais, algumas das quais podem ser vistas no meu site (www.uol.com.br/augustodecampo).

NT - A Internet é uma aliada...
AC - Acho que o universo digital, oferecendo ao poeta programações sofisticadas de design, abre um campo imenso de experimentação, tanto para fora como para dentro do livro. Na mídia eletrônica, a poesia concreta e as poéticas visuais encontram um “habitat” natural. Os poemas podem ser pensados em formas, cores e movimento, com versatilidade e relativa facilidade.
É o que eu sonhava, quando há quase meio século, prefaciando a série de poemas em cores Poetamemos, exclamava: “Mas luminosos ou film-letras, quem os tivera!”. Acrescente-se que a Internet, apesar de todo o lixo cultural que acolhe, abre picadas e desvios de rota que favorecem o intercâmbio poético entre os guetos ou “reservas” de resistência poética em todo o mundo, ajudando a romper o isolamento catacúmbico da poesia.

NT - Quais são seus projetos?

AC - Tenho um novo livro de poemas já entregue a uma editora (todo ele feito em computador) e outro, no qual reúno as minhas traduções dos provençais Arnaut Daniel e Raimbaut d’Aurenga ao lado de Cantos de Dante e outros poemas dele e de Guido Cavalcanti. É, parcialmente, uma reedição de Mais Provençais, mas com muitos acréscimos e traduções inéditas, especialmente as do Inferno e do Purgatório, que enfatizam o encontro de Dante com os trovadores. Acabo de republicar com Haroldo de Campos novas edições, revistas e ampliadas, do Panorama do Finnegans Wake e da ReVisão de Sousândrade, ambos pela Editora Perspectiva. Demos especial atenção ao livro sobre Sousândrade, que se encontrava há muito esgotado, sendo este ano o centenário da morte do grande poeta maranhense, modelo de poeta-inventor, ainda não engolido pelos nossos meios universitários e acadêmicos.

NT - Pignatari ainda produz junto?
AC - Não. Produzimos individualmente. Aliás, nunca fizemos um poema em conjunto. Mas, nos anos 50 e 60, estávamos, naturalmente, em maior contato, mostrávamos um ao outro o que produzíamos antes de publicação, e chegamos a publicar juntos a nossa produção poética, por cerca de 17 anos. Isso, também, naturalmente, já não ocorre hoje. Continuamos amigos, o que é mais importante. Converso semanalmente com Haroldo ao telefone. Com Décio (que de alguns anos para cá mora em Curitiba), tive bons momentos em Maio no Salão do Livro de Genebra.

NT - Qual é o seu recado para as novas gerações?

AC - Só não voltar atrás.



*Esta entrevista faz parte do livro "As Novas Histórias de Amor", de Nádia Timm.

Última modificação em Quarta, 04 Maio 2016 23:49

Mais lidos

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Cartas de Caio

22 Dez 2016 Livros

Cara-de-Bronze

05 Jun 2016 Programação em Goiânia

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 64 visitantes

Add to Flipboard Magazine.