Arquipélago da Madeira

Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é rep...

Suíça, de trem

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Lan Lanh

Lan Lanh

Lan Lanh sobe aos palcos do Teatro Glaucio Gill, no Rio de Janeiro, para apresentar o show "Batuque da Lan Lanh" nos dias 2, 3, 4, 5, 9, 10, 11 e 12 de junho. ...

Publicado em Crônicas Di-Versos
Lido 1122 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Na repartição era temporada de relax. Mês de férias, nenhuma campanha eleitoral à vista, chefes e chefetes viajando, a maioria curtindo a praia bem longe.

O telefone em silêncio, o Sol morno aquecendo as manhãs claras de um inverno no sertão. Nada a fazer. Marisa tem tempo para pensar na vida. Para completar a tranquilidade, a mãe louca está distante. O namorado pirado, também. Sua vida imersa na paz. Pode tagarelar à vontade com seu novo amigo na Internet, um belo italiano encantado pela palavra Brasil.

Poderia entoar uns mantras, queimar um incenso, curtir uma erva à vontade. Pouco ligava se havia uma pilha de jornais se amontoando à sua volta. Estava de férias do mundo e com vontade de transformar esta folga toda em período de descanso para sempre, perpétuo.

Que vida boa ser funcionária pública! Nenhum memorando, nada de ofícios, agenda zero. Havia decretado o fim das chatices burocráticas. De braços cruzados, descobriu que o mundo girava muito bem sem ela. Não queria mais o título de funcionária padrão. Nem se importava em ser produtiva, eficiente, competente. Tinha chegado ao limite. O homem do bigode de gabinete esquecera de persegui-la.

A secretária gorda desistira de cobrar os minutos de atraso, e ela, apesar dos medos, tinha decidido cruzar os braços... E cruzar o oceano. Andava com o guia de Paris na bolsa, alucinada com as possibilidades. No Jardin des Tuileries, o ritual de percorrer o traçado. A gloriosa geometria do jardim de Versalhes. Imaginava Luiz XIV, o Rei Sol, como seu delicioso amante, fazendo amor à francesa, sem expor o corpo, veladamente gozava, ai, ai. Faz o percurso da Pont de l’Alma a Pont Sully.

Passa de um lado ao outro do Sena, está quase na hora do almoço. Rive Droite, Rive Gauche, capricha no sotaque. Lembra que Paris ainda é uma festa, e de Hemingway. Recorda, também, o tal namorado que mal sabe português e escreve viagem com jota, no Orkut, e excitado sem o “x”, quando tecla no MSN. Não se fazem homens como antigamente, suspira. Luiz XIV de peruca e salto alto devia provocar mais orgasmos do que os brucutus do século XXI. Como pode sentir tesão sem o prazer erótico da palavra, sem os contornos luxuriantes da sedução. Das pontes de Paris às pinguelas de Goiás. Homens-bois, rústicos, com seus grandes e inúteis pintos.

Marisa debruça sobre as fotos do bar do Ritz. Aqui, bem aqui, era ponto de encontro de Zelda e Fitzgerald. Aqui, bem aqui, terá um encontro, num dia chuvoso. Pedirá o Kir, um copo de vinho branco com licor de cassis. Parece que a fome está apertando, falta pouco, logo sairá para almoçar. Quer ficar só, ultimamente quer muito a solidão e o silêncio.

Atravessa a rua do Claustro de Notre-Dame e entra no adro da igreja, voltou ao século XIII. Desce a escada que leva à Cripta Arqueológica. Vê as ruínas da antiga Lutécia, a cidade galo-romana. Embora imóvel, ela vai. Atravessa o mar, o tempo. É agora uma francesa, é outra mulher. Está na legião dos miseráveis de Victor Hugo, pedindo esmolas, um eurozinho.

Percorre o metrô com o olhar, há suicidas, desempregados, mendigos. Depois, flutua sobre Paris, no cinza repara nas ruínas e folhas amarelas. Ofuscada pela beleza perambula na paisagem imaginária. O dia termina, as luzes começam a se acender. Tons de rosas e amarelos, Paris está iluminada como um palco, mais linda ainda. Marisa está atenta à rua, à visão que a puxa para um mergulho. Senta à margem do Sena, toca a face de algum outro universo ou dimensão. Não percebe diferença entre segundos e séculos, mas precisa voltar. É meio-dia, tem de bater o ponto.

De volta, guarda o livro na última gaveta.

 

*Este conto faz parte do livro "As Novas Histórias de Amor", de Nádia Timm.

Última modificação em Sábado, 25 Julho 2015 20:52

Deixe um comentário

Mais lidos

Tradição dos Manjericos

Tradição dos Manjericos

23 Jun 2016 Turismo

Na Ponta do Nariz

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Ecoturismo

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Capoeira

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Quimeras

Quimeras

07 Jan 2015 Crônicas Di-Versos

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 71 visitantes

Add to Flipboard Magazine.