Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é repleto ...

Bienal de Design

12ª Bienal Brasileira de DESIGN GRÁFICOMostra comemora 25 anos e, pela primeira vez, será realizada em Brasília

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Na Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca é possível avistar mães com seus filhotes nadando próximos à costa Na Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca é possível avistar mães com seus filhotes nadando próximos à costa Divulgação
Publicado em Turismo
Lido 7317 vezes
Avalie este item
(3 votos)

Turismo pode contribuir para conservação de espécies em Santa Catarina

 

Apesar dos avanços com o turismo ecológico, passeio para visualização das baleias-franca no Sul pode ser melhor aproveitado

 

 Maria Luiza Campos


O turismo tem crescido anualmente no Brasil e, em tempos de dólar alto inibindo viagens internacionais, deve crescer ainda mais. Segundo o Anuário Estatístico do Ministério do Turismo, em 2014 o país recebeu mais de 6,4 milhões de turistas, 600 mil a mais que no ano anterior.

Aproveitar esses visitantes e torná-los aliados da conservação da natureza, especialmente nas unidades de conservação brasileiras, é o objetivo do trabalho desenvolvido em diversas cidades do país, como Bonito (MS), Fernando de Noronha (PE), Imbituba (SC) e Salvador (BA).

 

Com roteiros de turismo ecológico bem estabelecidos, nessas cidades são desenvolvidas ações de conservação de espécies características das regiões, aproximando-as da comunidade e dos visitantes por meio do turismo.


Em Bonito, o trabalho com a arara-vermelha-grande (Ara chloropterus) chega a receber cerca de seis mil visitantes por ano. As ações do projeto Tamar com várias espécies de tartarugas na Praia do Forte, em Salvador, são nacionalmente conhecidas e procuradas pelos turistas.

Da mesma forma, cerca de 60 mil viajantes do mundo todo vão a Fernando de Noronha, anualmente,, e conhecem o trabalho com o golfinho-rotador (Stenella longirostris).

 



Turismo de observação no Sul

Ainda pouco aproveitado, mas com grande potencial, está o ‘balé’ das baleias-franca  (Eubalaena australis) em Imbituba e municípios vizinhos, a poucos km ao sul da capital Florianópolis, Santa Catarina.

Na Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, é possível avistar mães com seus filhotes nadando próximos à costa, interagindo entre si e até mesmo dando saltos fora d’água. Não há nenhuma interferência do homem e os indivíduos brincam livremente perto da praia.
 
 

As baleias podem ser visualizadas no período reprodutivo da espécie no Brasil, que acontece entre julho e novembro, porém a melhor época para encontrá-las é entre a segunda quinzena de agosto até a primeira quinzena de outubro, quando um número maior de indivíduos se concentra na região.

Após esse período, elas retornam para as Ilhas Geórgias do Sul (Inglaterra) onde ficam de dezembro a junho.

 

“Valorizar as características próprias de cada região incentivando o turismo ecológico é uma excelente estratégia para gerar conhecimento sobre espécies da biodiversidade brasileira, aproximando-as da sociedade e contribuindo para sua conservação”, explica Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

Ela destaca que, quando as pessoas passam a conhecer a biodiversidade e a entender a sua importância, podem ser estimuladas a vir a trabalhar em prol da conservação no futuro ou mesmo acompanhar de modo mais próximo as políticas públicas relacionadas ao meio ambiente.

 

A instituição já apoiou sete projetos de conservação da espécie nas regiões Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (RJ). Dentre eles, destaca-se um que monitorou o comportamento das baleias-franca durante as atividades de observação turística da espécie.


O estudo concluiu que não há mudança significativa nas atividades das baleias, o que comprova que o turismo de observação não prejudica a espécie.

 

Características da espécie

A baleia-franca mede entre 15 e 18 metros e pode chegar a pesar cerca de 60 toneladas. Seu corpo é negro e arredondado, sendo que a cabeça ocupa quase um quarto do seu comprimento total.

Na barriga, ela possui manchas brancas irregulares, além de uma camada de gordura que reveste todo o corpo e que pode chegar a 40 cm de largura em alguns pontos. O formato do ‘esguicho’ dessa espécie é bem característico, lembrando a letra ‘V’ e podendo atingir oito metros de altura.

A particularidade mais marcante são as calosidades (endurecimento natural da pele) que as baleias-franca possuem no alto e nas laterais da cabeça.

 

Sobre a Fundação Grupo Boticário: a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é promover e realizar ações de conservação da natureza.

Criada em 1990 por iniciativa do fundador de O Boticário, Miguel Krigsner, a atuação da Fundação Grupo Boticário é nacional e suas ações incluem proteção de áreas naturais, apoio a projetos de outras instituições e disseminação de conhecimento. Desde a sua criação, a Fundação Grupo Boticário já apoiou 1.439 projetos de 482 instituições em todo o Brasil.

A instituição mantém duas reservas naturais, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, os dois biomas mais ameaçados do país.  Outra iniciativa é um projeto pioneiro de pagamento por serviços ambientais em regiões de manancial, o Oásis.

Na internet: www.fundacaogrupoboticario.org.br

Última modificação em Quarta, 27 Janeiro 2016 11:37
Mais nesta categoria: Aruba »

Mais lidos

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Cartas de Caio

22 Dez 2016 Livros

Cara-de-Bronze

05 Jun 2016 Programação em Goiânia

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 73 visitantes

Add to Flipboard Magazine.