Arquipélago da Madeira

Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é rep...

Suíça, de trem

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Lan Lanh

Lan Lanh

Lan Lanh sobe aos palcos do Teatro Glaucio Gill, no Rio de Janeiro, para apresentar o show "Batuque da Lan Lanh" nos dias 2, 3, 4, 5, 9, 10, 11 e 12 de junho. ...

 A viúva de Marielle Franco, Mônica Benício, refez Grafite em homenagem a Marielle, feito por Malala Yousafzai na comunidade Tavares Bastos, no Catete A viúva de Marielle Franco, Mônica Benício, refez Grafite em homenagem a Marielle, feito por Malala Yousafzai na comunidade Tavares Bastos, no Catete Fernando Frazão/Agência Brasil
Publicado em Isto é Brasil
Lido 1309 vezes
Avalie este item
(1 Voto)

Grafites em homenagem a Marielle e Maria da Penha são refeitos no Rio de Janeiro

  // As obras foram feitas pela ativista Malala e vandalizados em 2018


Por Vinicius Lisboa - repórter da Agencia Brasil

A viúva da vereadora Marielle Franco, Mônica Benício, refez no início da noite de 14 de Janeiro de 2019 o grafite em homenagem à parlamentar assassinada que havia sido pintado pela ativista paquistanesa Malala Yousafzai em julho do ano passado e vandalizado cinco meses depois. Também foi refeito o grafite em homenagem à ativista Maria da Penha, que tinha sido apagado com tinta preta no dia 10 de dezembro de 2018, quando é comemorado o Dia Internacional dos Direitos Humanos.

A homenagem a Marielle e Maria da Penha foi feita por Malala, usando a técnica stencil em parceria com a grafiteira Panmela Castro. O stencil consiste no uso de uma forma com o traçado do desenho a ser pintado. Panmela é fundadora da Rede Nami, um grupo que forma grafiteiras e discute violência conta a mulher na favela Tavares Bastos, na zona sul do Rio de Janeiro.

A grafiteira disse que refazer o retrato de Marielle no muro, com o apoio da dona da casa, foi um ato de resistência.  "As pessoas estão tentando abafar o que aconteceu e tirar a nossa voz, mas a gente está resistente. A gente vai refazer quantas vezes precisar", disse Panmela, que também distribuiu 600 cartazes que trazem reproduções do grafite de Marielle.

Panmela organizou o ato para refazer o grafite e teve o apoio de coletivos de mulheres lésbicas e blocos de carnaval. Mônica Benício disse que fez questão de participar e reconstruir a homenagem com suas próprias mãos, usando a mesma técnica usada por Malala.

"Queria que fosse feito com solidariedade, com afeto e com amor. Pedi a participação de blocos coletivos e das mulheres da resistência sapatão, para fazer algo com cara de Marielle, com alegria. Ela era uma pessoa que gostava muito de celebrar a vida. É fundamental para a gente dizer que vai ter resistência e que a memória da Marielle não vai ser violentada e não ser esquecida", disse Mônica.Investigações

A viúva de Marielle disse que acompanha com pouco ânimo as últimas declarações de autoridades sobre o caso. Recentemente, o governador Wilson Witzel disse que a investigação está perto de um desfecho e, hoje, o procurador-geral de Justiça do estado do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, disse que não há dúvidas da ligação de milicianos com o assassinato.



"Não consigo ver essas notícias com grande ânimo, porque desde o meio do ano passado é dito pelas autoridades que o caso está perto de ser solucionado", disse Mônica, que torce para que dessa vez os resultados da investigação apareçam. "As autoridades não mostram nada de concreto que faça a gente acreditar que isso seja real".

Para Mônica, é muito importante que o poder público se comprometa a garantir que o resultado das investigações seja preciso e bem embasado. "Quem pode achar sou eu que não sou autoridade. As autoridades competentes envolvidas no caso tem que garantir com certeza. Inclusive existe o medo de que seja entregue uma resposta que não seja uma resposta real a fim de tentar silenciar o caso e encerrar essa história".
Bloco

Ao fim da pintura do grafite, o ato tomou forma de um bloco de carnaval e desceu parte da ladeira Tavares Bastos, distribuindo os cartazes em homenagem à vereadora assassinada e cantando sambas e marchinhas de carnaval. Mônica disse que fazer justiça à Marielle é uma luta que não termina com a prisão dos responsáveis por sua execução.

"A Justiça para Marielle não se fará só no resultado das investigações, mas na disputa por uma sociedade mais justa e igualitária por que ela lutava e é o que vamos seguir lutando".




Última modificação em Segunda, 21 Janeiro 2019 22:29

Deixe um comentário

Mais lidos

Ecoturismo

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Na Ponta do Nariz

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Capoeira

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Tradição dos Manjericos

Tradição dos Manjericos

23 Jun 2016 Turismo

Quimeras

Quimeras

07 Jan 2015 Crônicas Di-Versos

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 224 visitantes

Add to Flipboard Magazine.