Arquipélago da Madeira

Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é rep...

Suíça, de trem

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Lan Lanh

Lan Lanh

Lan Lanh sobe aos palcos do Teatro Glaucio Gill, no Rio de Janeiro, para apresentar o show "Batuque da Lan Lanh" nos dias 2, 3, 4, 5, 9, 10, 11 e 12 de junho. ...

Publicado em Crônicas Di-Versos
Lido 1112 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Era uma vez uma Princesa que gostava muito da cama e para lá levava todo sapo quando achava que era um príncipe gostoso disfarçado.



Beijava muito o bicho e nada. Lambia, chupava, mordia e nada acontecia. Os
Sapos continuavam horrorosos, nojentos, machistas. Um dia, cansada das
ressacas das paixões, dos enganos, resolveu dar um baile e convidar príncipes
de reinos distantes.



Foi uma linda festa que durou sete noites. A Princesa conheceu muitos
jovens fogosos, ficou com alguns naquele embalo sensacional, distribuiu
beijos na boca e transou com três. Até tentou um ménage, mas nenhum
desencantou. Acordava sentindo o vazio, o corpo dolorido.


Ela continuava sem conhecer o grande orgasmo da grande foda mágica
do qual falavam os contos das fadas vividas, rodadas. Algumas princesas amigas
diziam que isso era apenas uma lenda erótica e que deviam se contentar
com as rapidinhas insossas. Porém, a princesa da nossa história tinha muito
tesão, desejo de amar e sentia que todo aquela forte energia era um sinal de que
a vida era para ser bem gozada.


Até que um dia, em um passeio no lindo bosque encantado encontrou
o Mago. Era um feiticeiro super gato. Aliás, elegância era o que o tal
gato de botas tinha de sobra, cavalgando naquela motocicleta, todo gostosão.
Ele chegou com o olhar mais doce do mundo, nas mãos os carinhos
mais ternos, a chama e o prazer intenso, como jamais sentira. O encontro
mudou a vida da Princesa que, aos poucos, aprendeu a mergulhar, voar, ao
fazer amor de verdade.


Com ele, descobriu a maravilhosa arte da entrega e a desfrutar seus
efeitos vibrantes. Conheceu a energia vital fazendo muito amor e gozando
muito. Nua em seu palácio de cristal, praticou a arte de não julgar, não se
comparar, não culpar nem a si, nem a ninguém. Aos poucos, conseguiu
sentir cada parte de seu corpo pulsar. Vívida, ouviu cada emoção, não embarcou
nos pensamentos.


Alegre, percorria as delícias da vida, sabores e aromas, o fogo das
entranhas subindo, chegando ao coração, expandindo em luz, no vaivém
de carícias proibidas pela ignorância.
Tornou-se sábia, feliz para sempre. Nem quis mais a coroa.



 

*Esta história faz parte do livro "Era Uma Vez....... Outra Vez....... mais uma vez .......e  mais outra.......", de Nádia Timm.

Última modificação em Sábado, 25 Julho 2015 21:15
Mais nesta categoria: Tatuados »

Deixe um comentário

Mais lidos

Tradição dos Manjericos

Tradição dos Manjericos

23 Jun 2016 Turismo

Na Ponta do Nariz

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Ecoturismo

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Capoeira

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Quimeras

Quimeras

07 Jan 2015 Crônicas Di-Versos

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 50 visitantes

Add to Flipboard Magazine.