Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é repleto ...

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Lan Lanh

Lan Lanh sobe aos palcos do Teatro Glaucio Gill, no Rio de Janeiro, para apresentar o show "Batuque da Lan Lanh" nos dias 2, 3, 4, 5, 9, 10, 11 e 12 de junho. O...

Publicado em Crônicas Di-Versos
Lido 682 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Era uma vez uma Princesa que gostava muito da cama e para lá levava todo sapo quando achava que era um príncipe gostoso disfarçado.



Beijava muito o bicho e nada. Lambia, chupava, mordia e nada acontecia. Os
Sapos continuavam horrorosos, nojentos, machistas. Um dia, cansada das
ressacas das paixões, dos enganos, resolveu dar um baile e convidar príncipes
de reinos distantes.



Foi uma linda festa que durou sete noites. A Princesa conheceu muitos
jovens fogosos, ficou com alguns naquele embalo sensacional, distribuiu
beijos na boca e transou com três. Até tentou um ménage, mas nenhum
desencantou. Acordava sentindo o vazio, o corpo dolorido.


Ela continuava sem conhecer o grande orgasmo da grande foda mágica
do qual falavam os contos das fadas vividas, rodadas. Algumas princesas amigas
diziam que isso era apenas uma lenda erótica e que deviam se contentar
com as rapidinhas insossas. Porém, a princesa da nossa história tinha muito
tesão, desejo de amar e sentia que todo aquela forte energia era um sinal de que
a vida era para ser bem gozada.


Até que um dia, em um passeio no lindo bosque encantado encontrou
o Mago. Era um feiticeiro super gato. Aliás, elegância era o que o tal
gato de botas tinha de sobra, cavalgando naquela motocicleta, todo gostosão.
Ele chegou com o olhar mais doce do mundo, nas mãos os carinhos
mais ternos, a chama e o prazer intenso, como jamais sentira. O encontro
mudou a vida da Princesa que, aos poucos, aprendeu a mergulhar, voar, ao
fazer amor de verdade.


Com ele, descobriu a maravilhosa arte da entrega e a desfrutar seus
efeitos vibrantes. Conheceu a energia vital fazendo muito amor e gozando
muito. Nua em seu palácio de cristal, praticou a arte de não julgar, não se
comparar, não culpar nem a si, nem a ninguém. Aos poucos, conseguiu
sentir cada parte de seu corpo pulsar. Vívida, ouviu cada emoção, não embarcou
nos pensamentos.


Alegre, percorria as delícias da vida, sabores e aromas, o fogo das
entranhas subindo, chegando ao coração, expandindo em luz, no vaivém
de carícias proibidas pela ignorância.
Tornou-se sábia, feliz para sempre. Nem quis mais a coroa.



 

*Esta história faz parte do livro "Era Uma Vez....... Outra Vez....... mais uma vez .......e  mais outra.......", de Nádia Timm.

Última modificação em Sábado, 25 Julho 2015 21:15
Mais nesta categoria: Tatuados »

Mais lidos

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Cartas de Caio

22 Dez 2016 Livros

Cara-de-Bronze

05 Jun 2016 Programação em Goiânia

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 29 visitantes

Add to Flipboard Magazine.