Arquipélago da Madeira

Arquipélago da Madeira

Destino exibe suas raízes em patrimônios históricos e monumentos fascinantes. // Famoso por ser um dos mais belos do mundo, o Arquipélago da Madeira é rep...

Suíça, de trem

Suíça, de trem

Um passeio imperdível pela Suíça com o Grand Train Tour

Lan Lanh

Lan Lanh

Lan Lanh sobe aos palcos do Teatro Glaucio Gill, no Rio de Janeiro, para apresentar o show "Batuque da Lan Lanh" nos dias 2, 3, 4, 5, 9, 10, 11 e 12 de junho. ...

Rodin foto_Daniel Pinho
Publicado em Artemania
Lido 4544 vezes
Avalie este item
(1 Voto)

Esculturas de Auguste Rodin e fotografias sobre o artista, integram exposição aguardadíssima, em Brasília, na Galeria Marcantonio Vilaça, do Tribunal de Contas da União (TCU), a partir do dia 17 de agosto.

A mostra “Auguste Rodin – O Despertar Modernista” é curada por Marcus de Lontra Costa e formada por 14 esculturas e 36 fotos.



“Distantes no tempo, as esculturas de Rodin e a arquitetura de Brasília dialogam, ambas, com a tradição barroca e a clareza do método construtivo”, diz o curador, justificando a escolha de Brasília para abrigar a exibição.

As 10 das 14 esculturas que virão a Brasília pertencem ao acervo da empresa mineira Vallourec, as outras quatro são do acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Também da pinacoteca paulista vêm parte das 36 fotografias que integram a mostra. As demais virão especialmente do Museu Rodin, em Paris.
 
Escolas poderão agendar visitas pelo programa educativo através do telefone (61) 3316-5221.

 

Exposição “Auguste Rodin – O Despertar Modernista”
17 de agosto a 5 de novembro de 2016
vernissage, 16 de agosto, às 19h
de terça a sábado, das 9h às 19h
Espaço Cultural Marcantonio Vilaça - Edifício-sede do Tribunal de Contas da União — SAFS, Quadra 4, Lote
Agendamento pelo programa educativo via telefone (61) 3316-5221.
Entrada franca

O ARTISTA

(Paris, 12 de novembro de 1840 — Meudon, 17 de novembro de 1917)

FRANÇOIS-AUGUSTE-RENÉ RODIN, conhecido como Auguste Rodin, foi um escultor francês. Apesar de ser geralmente considerado o progenitor da escultura moderna, ele não se propôs a rebelar-se contra o passado. Foi educado tradicionalmente, teve o artesanato como abordagem ao seu trabalho, e desejava o reconhecimento acadêmico, embora ele nunca tenha sido aceito na principal escola de arte de Paris (sua incapacidade em ganhar a vaga pode ter sido devida ao gosto neoclássico dos juízes, enquanto Rodin tinha sido educado à luz da escultura do século XVIII. Deixando a Petite École em 1857, Rodin ganhava a vida como artesão e com ornamentos durante a maior parte das próximas duas décadas, a produção de objetos decorativos e enfeites arquitetônicos).

Esculturalmente, Rodin possuía uma capacidade única em modelar uma superfície complexa, turbulenta, profundamente embolsa em argila. Muitas de suas esculturas mais notáveis foram duramente criticadas durante sua vida. Eles entraram em confronto com a tradição da escultura da figura predominante, onde as obras eram decorativas, estereotipadas, ou altamente temáticas. Seu trabalho mais original partiu de temas tradicionais da mitologia e da alegoria, modelado o corpo humano com realismo, e celebrando o caráter individual e fisicalidade. Rodin era sensível à controvérsias em torno de seu trabalho, mas se recusou a mudar seu estilo. Sucessivas obras trouxeram aumentos de favores do governo e da comunidade artística.

Do inesperado realismo de sua primeira grande figura – inspirada por sua viagem à Itália, em 1875 – para os memoriais não convencionais cujas comissões mais tarde ele procurou, sua reputação cresceu, de tal forma que se tornou o escultor francês proeminente de seu tempo. Em 1900, ele era um artista de renome mundial. Clientes particulares ricos procuraram seus trabalhos após sua mostra na Exposição Universal, e ele fez companhia com uma variedade de intelectuais e artistas de alto nível. Ele se casou com sua companheira ao longo da vida, Rose Beuret, no último ano de vida de ambos. Suas esculturas sofreram um declínio de popularidade após a sua morte em 1917, mas dentro de algumas décadas, o seu legado se solidificou. Rodin continua a ser um dos poucos escultores conhecidos fora da comunidade das artes visuais.

Suas obras mais célebres, O Beijo, que faz parte de uma série de esculturas realizadas para a Porta do Inferno, do Museu de Artes Decorativas, O Pensador, da mesma série, e o retrato de Balzac confirmam isso. Há um museu em Paris dedicado às suas obras e vida, o Musée Rodin), situado no HôtelBiron, ao lado do Hôteldes Invalides, monumento onde se encontra o túmulo de Napoleão.
Rodin teve como assistente a escultora Camille Claudel, com quem teve um romance e cujos trabalhos são muitas vezes confundidos com os de Rodin. Camille acreditava que Rodin queria se apropriar dos seus trabalhos. À época, foi considerada insana e terminou seus dias internada em um manicômio.

 

fonte: divulgação

Última modificação em Quinta, 24 Novembro 2016 22:21
Mais nesta categoria: Videodança »

Deixe um comentário

Mais lidos

Ecoturismo

Ecoturismo

16 Out 2015 Turismo

Na Ponta do Nariz

Na Ponta do Nariz

06 Jun 2016 Artemania

Capoeira

Capoeira

04 Set 2016 Isto é Brasil

Cartas de Caio

Cartas de Caio

22 Dez 2016 Livros

Cara-de-Bronze

Cara-de-Bronze

05 Jun 2016 Programação em Goiânia

Acompanhe no Facebook

Online

Temos 67 visitantes

Add to Flipboard Magazine.